terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Mindwalk - Ponto de Mutação

“Quando percebermos que nós e o planeta somos na verdade, um só, uma realidade, uma só consciência, teremos chegado ao ponto de descobrir que a nossa transformação não foi apenas uma atitude, mas uma mutação”.


O filme “Ponto de Mutação” é baseado no livro de Fritjof Capra. Sem dúvida nenhuma uma das melhores obras desse físico austríaco. Não tem como começar essa resenha sem falar sobre Capra e sua forma de pensar, já que seus pensamentos e propostas estão perfeitamente inseridas em suas obras. Falando um pouco sobre sua forma de pensar e sobre seu currículo estarei resumindo boa parte dessa obra tão especial da década de 90. Fritjof Capra doutorou-se em física teórica pela Universidade de Viena em 1966. Conseqüentemente, trabalhou em pesquisas sobre a física de alta energia em várias universidades européias e norte-americanas. Poderia ter seguido o rumo normal de seus colegas acadêmicos, mas algumas intuições e encontros o levaram a uma originalidade sem precedentes em sua área de atuação. Para entender a física contemporânea, foi estudar a filosofia oriental. O autor é um dos nomes mais importantes na divulgação dos processos da ciência, da filosofia e da ecologia de nossos tempos, mas ele vai mais além, suas contribuições estão intimamente ligadas a uma nova maneira de se entender a ciência e de se poder compreender a realidade que surge e seus problemas. Suas obras refletem todo um clima que atualmente emerge em todo o modo de pensar, uma nova maneira mais sensível e significativa, um novo nível perceptivo propício a uma mudança fundamental da compreensão humana quanto à natureza do conhecimento científico, seja este na esfera das ciências físicas, na esfera das ciências biológicas ou humanas, levando-nos ao que poderíamos chamar de uma nova transformação cultural. Em “Ponto de Mutação” Capra investiga as implicações e impactos do que tomava a forma de uma mudança de paradigmas, 20 anos depois dos estudos do físico Thomas Kuhn. Essa investigação tem como ponto de partida a observação de que os principais problemas do século XX são todos sintomas ou aspectos diversos do que, no fundo, não passa de uma única crise fundamental, a crise de percepção, uma percepção distorcida baseada no individualismo, no egoísmo, na ganância e na "separabilidade" entre os indivíduos e suas vidas. O filme tem como trama central uma longa conversa entre uma cientista, um poeta e seu amigo, ex–candidato à presidência do Estados Unidos. Essa conversa se estende por todo filme e aborda vários aspectos dos pensamentos de Capra e de sua proposta de uma nova percepção do mundo e para o mundo. A conversa dos personagens fica intimamente envolvida pela atmosfera medieval e filosófica do mais que espetacular, Mont Saint Michel na França. Ambos personagens estão ali para descobrir a qualidade tão preciosa que falta no mundo: A percepção.
Percepção que levaria a um novo modelo de pensamento, livre e diferente do pensamento “mecanicista” que o homem jamais abandonou apesar de sua evolução. Particularmente esse clima que envolve os atores, passa a nos envolver também, como se participássemos do filme. O filme nos traz várias perspectivas sobre os seres humanos e o mundo e o futuro (...) Uma das mais interessantes é a crítica ao pensamento “mecanicista”, onde o mundo e tudo que dele faz parte funcionaria como um relógio, uma máquina, rompendo assim a naturalidade das coisas, Descartes foi o percussor dessa idéia hoje antiquada. Com certeza o pensamento cartesiano teve sua importância, mas hoje ele está ultrapassado e isso fica bem claro no decorrer do filme (...) Capra expõe suas perspectivas científicas e espirituais procurando assim a solução para a crise de sentimentos e valores morais, culturais, religiosos e políticos, todas essas crises são em decorrência de uma crise principal, a crise de percepção. Interessante também é a visão da problemática mundial. Não são os sistemas, mas sim as pessoas que devem mudar. Não podemos mais pensar que o mundo é uma máquina e que seus problemas são singulares e únicos. A cura para todos os problemas existentes após o século XX está nessa proposta, nesse novo modo de ver o mundo, vê-lo como um todo, saber que as ações das pessoas estão conectadas, assim como as crises e os problemas mundiais, as vidas também fazem parte dessa teia de conexões. As pessoas precisam de uma nova visão de mundo. O mundo muda mais rápido que a nossa percepção, ficamos ultrapassados, ainda vemos o mundo como uma máquina, como se pudéssemos resolver seus problemas trocando apenas uma peça, não percebemos que tudo está ligado, que somos parte de uma teia e que todas as nossas ações podem trazer conseqüências futuras.

Trecho: Ponto de Mutação


“Ao término de um período de decadência sobrevém o ponto de mutação. A luz poderosa que fora banida ressurge. Há movimento, mas não é gerado pela força... O movimento é natural, surge espontaneamente. Por essa razão, a transformação do antigo torna-se fácil. O velho é descartado, e o novo é introduzido. Ambas as medidas se harmonizam com o tempo, não resultando daí, portanto, nenhum dano”. Fritjof Capra - (I Ching)

Resenha por mim escrita em junho de 2003

5 comentários:

Mr. Zahta disse...

Belo blog. Obrigado pela visita. As histórias são minhas sim, e uma é continuação da outra. Vou continuar escrevendo e espero que você acompanhe. Feliz natal e tchau!

Anja disse...

Olá My Angel. Perfeito o texto!
Em pensar que somos controlados por um simples relógio, que considero algo frio, calculista... Tudo é mecanizado, os atos, tudo que fazemos. Mas mesmo com isso, tenho o meu pensamento livre, o verdadeiro caminho aquele que procuro seguir.

Tenha uma ótima noite!

Beijos

Anja

Pâm SãoPauliNa-RP disse...

Saudações...
Bela matéria..aquela primeira frase em itálico foi demais :P
BjO**

Rita Costa disse...

Oi, moça...
Um Feliz Natal pra você e um Ano Novo repleto de realizações viu.:)

Beijinhos e inté 2009.

Max disse...

Oi de novo,

Também escreves? Maravilha!! Eu também escrevo (textos filosóficos, contos etc)...acho que vamos gostar de interagir :D!

Linkarei este também! E voltarei!

Beijos